Inclusão: Resort La Torre realiza semana de capacitação sobre autismo

0
168

Seguindo o tema “lugar de autista é em todo lugar”, o Resort La Torre iniciou nesta quarta-feira (30/03), com os colaboradores, uma capacitação com objetivo de aprimorar e qualificar o acolhimento às pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). A iniciativa também faz parte da celebração para o Dia Mundial de Conscientização do Autismo, que acontece no dia 02 de Abril.

“O autismo é uma deficiência invisível e é cada vez mais comum encontrarmos hóspedes dentro dessa condição. Por isso, para nós que temos a hospitalidade e acolhimento como valores diários, é de fundamental importância capacitar as equipes para auxiliar a família caso haja qualquer situação diferente e fazer com que eles vivam dias incríveis com a gente, pois o lugar deles é sim em todo o lugar.” Destacou Luigi Rotunno, diretor do La Torre.

A capacitação foi ministrada por Gisele Macéa (@normalmenteautistas), que antes de ser especialista nesse tipo de treinamento, é mãe de três crianças com autismo. “Raramente um autista é “só” autista, ele pode apresentar um Transtorno do Processamento Sensorial, Transtorno do Défict de Atenção e Hiperatividade, e os estabelecimentos precisam se preparar, desde a abordagem da própria pessoa (em crise ou não) até a extensão do acolhimento aos pais, como e de que forma oferecer suporte” Ressaltou.

Segundo Gisele, O Resort La Torre oferece inúmeras qualidades para acolher um autista, como a localização, qualidade das acomodações e contato com a natureza, mas ter profissionais capacitados e sensíveis à essa condição, tranquiliza ainda mais as famílias que já convivem com desafios diários.

Atualmente, conforme levantamento do Centro de Controle de Doenças e Prevenção (CDC), uma a cada 44 crianças está dentro do Transtorno do Espectro Autista, portanto, obter um selo de empresa capacitada amiga do autista, vai além da conscientização, mas está dentro do propósito do La Torre de ser um lugar de pertencimento e felicidade compartilhada, respeitando a neurodiversidade.

Gabriela Caldas.

DEIXE UMA RESPOSTA